Balluff Blog
Balluff Brasil
Balluff Brasil
25 de abril de 2019

3 erros comuns na Internet das Coisas aplicada à indústria (IIoT) – e como evitá-los

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email

Os avanços da Internet das Coisas (IOT) são inegáveis. E, quando esse conjunto de tecnologias é utilizado na indústria, os benefícios podem ser vistos em toda a empresa, abrangendo não apenas o setor produtivo, mas áreas estratégicas indispensáveis para fomentar o crescimento da companhia.
Contudo, sem o devido cuidado, é possível que surjam falhas em IOT que impactem de forma negativa na indústria. Veja quais são os principais erros e saiba como preveni-los.

 

1. Dados úteis que não são utilizados para a melhoria dos processos

Um dos aspectos mais relevantes da Internet das Coisas para automação industrial é o monitoramento dos processos produtivos. A conexão dos sensores e dispositivos permite que a empresa verifique o desempenho de cada item em tempo real, de forma ininterrupta.

No entanto, a falha ocorre no momento em que as empresas não observam atentamente tais dados, ou mesmo passam a negligenciá-los por completo. Isso porque o fornecimento das informações ajuda a companhia a aprimorar cada um dos processos continuamente. Logo, analisar os relatórios do fluxo da produção (do estoque, ou de demais áreas da companhia) é uma etapa indispensável para impulsionar o negócio.

 

2. Falhas na segurança da informação

O sistema de Big Data e o avanço do cloud computing trazem novas possibilidades à Internet das Coisas aplicada à indústria (IIoT). Afinal, agilizam a troca de informações e fazem com que o armazenamento de dados da companhia esteja um passo à frente, em comparação a métodos mais arcaicos.

Entretanto, com o risco de ataques cibernéticos até mesmo a grandes sistemas, é importante que a indústria reforce a segurança das informações. Apenas com softwares inteligentes de proteção dos dados é possível obter os benefícios da tecnologia de dados em nuvens, correndo menor risco de acessos indevidos ao sistema.

 

3. Equipamentos sem qualidade para colocar a Internet das Coisas em prática

Por fim, a qualidade dos sensores e dispositivos envolvidos no sistema de IOT é um ponto que determina um erro ou acerto em todo o processo. Afinal, com bons equipamentos há a garantia da conexão de excelência que, por sua vez, leva a dados confiáveis sobre a empresa, multiplicando sua redução de custos, produtividade e eficiência. Consequentemente, há a adesão bem-sucedida da companhia à era da indústria 4.0.

 

Se você deseja se manter atualizado sobre temas como Internet das Coisas e Indústria 4.0, acompanhe nossa página no LinkedIn!

Fique à vontade para compartilhar sua experiência ou tirar alguma dúvida que tenha ficado
Se nossa matéria ajudou você, gostaríamos muito de saber como! Isso vai nos ajudar a criar artigos cada vez mais úteis para você.